Parto…

Senhoras e sem dores, mais um texto, ao pretexto de se sair de si.

Segue,

Às folhas e suas vidas distintas,
Às ligações e imperfeições,
Aos sábios e descrentes,
Aos galhos secos e contorcidos.

À incerteza, beleza e ingratidão,
Ao amor puro e rejeitado,
Aos textos lindos e poemas fáceis,
À dor e a escuridão.

À derrota para o tempo,
À todas as milhares de bifurcações,
Aos ricos e aos pobres,
A amizade fruto de uma paixão.

Ao desejo doce e amargo,
À teimosia, saudade e ilusão,
Ao afago, ao sorriso que distem,
À dor, ao amor e ao desespero também.

À você, à todo mundo,
Aos céus e ao inferno,
À vergonha, o rugir do vento,
À teimosia, a simpatia o desprezo…

À tudo isso, dedico – assim – toda a minha lamentação.
Que em vão há de ser um grande lutador, talvez derrotado,
com muita dor, mas jamais esquecido por todas as pessoas que o faz existir.

“O parto ocorre… Parto-me, parto-me” (O teatro mágico)

 

Todos os textos são de autoria de Cleyton de Paula,
não sendo permitido a cópia e publicação sem a

autorização do mesmo.

Anúncios

Sobre sobreamente

Como um admirador nato da Arte e Cultura, analiso o mundo com base no comportamento humano e peço licença para expor a minha opinião. Costumo me enxergar como apenas mais um ilusionista nesse mundo tão caótico. Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: